“Preservar é o nosso papel”: Poesia de Sarita Pichuco Santos

promenac

POESIA: Preservar é o nosso papel
AUTORIA: Sarita Picucho Santos

Onde nasci… sim, eu me lembro
E em meio as ruínas, fui vivendo
Grande era a casa do feitor
Mas meu berço era o lar do meu avô
Engenhos, lanchas e arpões
Escravos, baleias e um pomar
Um povo reinventando as tradições
E a fartura da pesca a nos alimentar
Danças, ternos de Reis e Chamarrita
A Festa de Nossa Senhora do Rosário
Dançada no mais lindo cenário
E as quadrilhas, com o belo pau de fita
São Gonçalo e a Bandeira do Divino
Cantada ao som da viola, rabeca e tambor
Onde fiéis de vara, bandeira e vela
Saúdam o povo e a família do Imperador
E a Festa de São João
Onde São Pedro abençoa o pescador
Na praça da igreja de Armação
Cavalinho, onça e barão
Emocionando o povo com um belo boi de mamão.

Fui crescendo e me envolvendo
Tudo o que meu pai vivia
Minha alma absorvia
Dentre um povo e sua cultura
O progresso e a civilização
Aquela gente de alma pura
Aos poucos foi perdendo a tradição
A Casa Grande já não mais existia
A baleia não visitava mais a baía
Sua ossada na praia fincada
Apenas pela maré passou a ser admirada
Mas tudo ficou em minhas lembranças
Reviver isto é trazer de volta a criança
Que foi embalada pela história
E que até hoje vive da sua memória
E junto ao Pirão D ‘ Água
Encontrei minha missão
Que é preservar a cultura
Nossos costumes e tradição.
Não é impedindo o inevitável
Tão pouco desprezar o progresso
Mas trazendo para o nosso lado
O peso que tem o concreto
Preservar é o nosso papel
Proteger as praias, o povo e o céu
O pescador, sua arte e seu valor..

Represento um sentimento
Dos manezinhos de Armação do Itapocorói
Mas fica a pergunta
QUAL O VALOR QUE TEM A SAUDADE QUE DÓI?
Dá pra contar nos dedos
Quem está preocupado
Com nossa cultura e tradição
Ruas melhores, calçadas e esgotos
São planos de expansão
Ciclovia, arranha céu e desenvolvimento
Não preservam nossa identidade
Se tão pouco é feito no planejamento
Para a cultura de nossa cidade.
QUANTOS DE VOCÊS DE ALMA PURA
ESTÃO PREOCUPADOS DE FATO COM A NOSSA CULTURA?

Esta poesia foi inspirada na Primeira Conferência sobre a verticalização de prédios aqui na área de Armação do Itapocorói, realizada no salão paroquial de nossa Capela de São João Batista em janeiro de 2018, com o intuito de todos refletirem sobre o assunto em questão.