O professor Eduardo Bajara de Souza inicia no próximo dia 1º de julho uma nova estratégia de divulgação da História de Penha: o “Projeto Origens”, que terá postagens diárias na rede social Facebook. Bajara, que está implantando em Penha a Fundação Municipal Cultural, seguirá os moldes do “Museu Virtual da Festa do Divino Espírito Santo”, que ele mesmo operou durante o mês de maio, na sua página da rede social.

O objetivo de Bajara é aproveitar o mês de aniversário de Penha – a cidade celebra dia 19 de julho seu 62º aniversário de emancipação político-administrativa – com postagens diárias de trechos da história da cidade. O professor quer repetir o sucesso do “Museu Virtual do Divino”, que totalizou 1.500 curtidas dos internautas no Facebook.

Além das 1.500 curtidas, os internautas celebraram as postagens de texto e dados históricos da celebração histórica com 250 comentários e mais 300 compartilhamentos. O objetivo é repetir a experiência, chamando a atenção para ampliar a história local, também com fotos antigas.

Nesse novo projeto digital, Bajara revisitará os 300 anos de história, e não apenas os 62 anos de Penha. Ou seja, vai remontar ao período da colonização do litoral, com base em pesquisas próprias e escritores locais. O professor quer garantir 31 dias ininterruptos de postagens, durante todo o mês de aniversário. Penha não terá festa neste ano, por determinação da Prefeitura, e como forma de prevenção à pandemia do novo coronavírus.

“Vou iniciar com nossa colonização no entorno da capela histórica São João Batista; mostrar, por exemplo, as várias formas de escrita da palavra ‘itapocoróy’ e suas fontes com referências como a língua tupi-guarani e a grafia de Visconde de Taunay”, pontua. As fontes biográficas serão variadas, indo desde o saudoso José Ferreira da Silva, passando por Cláudio Bersi de Souza ou mesmo os escritos antigos de Auguste de Saint Hillaire.

“A intenção é demonstrar, por exemplo, a história da construção da capela, o muro dos escravos do Itapocoróy, os vestígios da Armação Baleeira, cenários da emancipação, a própria festa do Divino Espírito Santo, a Armação como centro comercial da região, entre outros temas”, antecipa o professor.

Bajara convida a todos para a partir do dia 1º de julho, conferir as postagens. A intenção é futuramente, transpor esse conteúdo para o Facebook da Fundação Municipal Cultural de Penha. Para acompanhar, basta procurar “Eduardo Bajara de Souza” na rede Facebook.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui